ANSIEDADE

Hoje iniciarei um tema que está muito presente em nossos dias, e é um dos maiores “vilões” que afetam nossa saúde e bem estar: A ANSIEDADE.

Por ser um tema extenso, dedicarei vários dias nele e espero que as informações e dicas, possam te ajudar de alguma forma.

Então vamos lá!

A palavra ANSIEDADE se origina das palavras:

“ANGST” do alemão = MEDO

“ANGOR” do latim = ANGÚSTIA PROFUNDA

ANSIEDADE é, portanto, um estado psíquico de medo indefinido, de angústia perturbadora.

ANSIEDADE = alerta, advertência de que algo está comprometendo a segurança pessoal.

É um sentimento de que algo que consideramos importante, está sob ameaça.

Existe a ansiedade NORMAL que provém de uma expectativa. É aquela que sentimos, por exemplo, na véspera de uma viagem, ou de um reencontro com alguém especial.

E aquela PATOLÓGICA, onde existe a presença de um pânico desorganizador que impede o andamento de nossa vida cotidiana. Esta traz um elevado grau de sofrimento e esgota nossa energia.

A ansiedade é uma advertência frente a um perigo que traz uma incerteza quanto à segurança pessoal. O grande problema é que nem sempre esse perigo é real.

Muitas vezes a emoção que traz o sentimento de medo provém de preocupações, inquietações, afobações, inseguranças e desamparo que ainda não aconteceram e talvez jamais aconteçam.

Nosso cérebro não sabe diferenciar o que é real da imaginação e vai preparar nosso corpo para as duas funções instintivas (já explicadas no tema do stress) de FUGA ou ATAQUE.

Quando estamos ansiosos, sensações desconfortáveis tendem a trazer de volta sentimentos infantis (regredimos), como se desejássemos que algo maior e mais forte nos ampare e proteja.

Quanto mais dependente for a pessoa, mais vulnerável ela se sente frente a possíveis ameaças.

Mais uma vez percebemos a importância de desenvolver e ampliar nossa resiliência, ou seja, nossa capacidade de enfrentar as pressões da vida.

VERÔNICA DUTENKEFER

Psicoterapeuta e Terapeuta Holística

CRTH-BR 5234

(11) 96484-5432