FLORAIS PARA TRABALHAR VÁRIOS ASPECTOS DA CRIANÇA INTERIOR

Para complementar o trabalho que realizo com a Criança Interior, utilizo essa poderosa ferramenta que são as Essências Florais.

Abaixo fiz um descritivo simples, de como as essências podem trabalhar diversos aspectos ligados à nossa Criança Interior. Mas é claro, que dentro do trabalho que faço com a pessoa, farei o estudo e a escolha dos florais apropriados de forma personalizada.

Espero que as essências possam  ajudar a refletir sobre aspectos desconhecidos dentro de nós e nos leve a desabrochar para uma nova vida, mais leve, espontânea, sábia e feliz!

LEGENDA:

(C)= Sistema Californiano

(A) = Sistema Australiano

(B) = Sistema Inglês = Bach

(M) = Sistema Florais de Minas

– ALPINE LILY- (C) – Para quem rejeita ou está alienado do seu aspecto feminino, especialmente a rejeição inconsciente da mãe ou do papel materno.

– ALTHAEA – (M) – Para aquelas personalidades com forte sentimento de rejeição social ou de exclusão familiar, que duvidam da própria individualidade e muitas vezes até fogem de compromissos sociais devido à esse sentimento.

– ANGELICA – (C) – Para a Criança Interior (Emocional) sinta-se protegida e cuidada pelos seres espirituais benevolentes; sentir a presença de um Poder Superior.

– BABY BLUE EYES – (C) – Desconfiança do mundo (não possui a inocência e confiança infantis), endurecimento das forças da Alma devido a experiências amargas na vida, insegurança emocional devido ao abandono ou afastamento do pai durante a infância.

– BEECH – (B) – Para quem faz julgamento crítico dos outros, geralmente para substituir a autocrítica (Estado de Ego Pai Crítico Negativo); julgamento dos aspectos infantis de si mesmo.

– BIPINATUS – (M) – Trabalha aspectos de medos extremos (pânico) de nossa Criança Emocional. Para evocar a serenidade e a coragem na Alma. Ajuda no despertar das energias de firmeza, coragem e simplicidade, tão necessárias em momentos aparentemente caóticos. Coadjuvante nos distúrbios do sono (pesadelos, sonambulismo, agitação) e nas crises de pânico ou desespero.

– BLACK COHOSH – (C) – Experiências e relacionamentos abusivos, exploradores ou incestuosos na infância, que ainda têm uma forte influência psíquica sobre a Alma.

– BLACK-EYED SUSAN – (C) – Relembrar as experiências dolorosas da infância que estão enterradas na memória, especificamente o reconhecimento consciente das emoções e sentimentos reprimidos.

– BLEEDING HEART – (C) – Aceitar a dor pelo rompimento de relacionamentos na família de origem; trabalhar à mágoa da Criança Interior de  alguém de sua família;  para a pessoa se desapegar e dar seguimento à vida emocional.

– BOAB – (A) – Essência que limpa padrões familiares negativos que foram passados de geração à geração. Quando é preciso uma separação energética em relação  à carga familiar a aos papéis que nós aprendemos a cumprir dentro desta dinâmica (para não “cairmos” outra vez nos papéis que foram determinados pela dinâmica familiar). A essência ajuda na conscientização, no processamento das questões e no desprendimento. Essa essência beneficia muito àqueles que tiveram experiência de abuso ou que sofreram preconceitos por parte dos outros.

– BOUGAINVILLEA – (M) – Esta essência amadurece a alma para a descoberta, a revelação e o encantamento com a própria beleza interior, auxiliando a personalidade a cultivar uma harmoniosa autoidentificação com suas contrapartes luminosas, belas e silenciosamente sábias. Representa um precioso apoio para a pessoa despertar para a beleza imanente às minúcias da vida terrena, por mais simples, humildes e insignificantes que possam parecer, ou seja, abre os aspectos de nossa Criança Livre para a beleza da vida e ajuda a romper bloqueios e limitações na atividade inventiva, na criatividade, dando um impulso para a alma desabrochar naqueles aspectos inesperadamente maduros e belos de si mesma.

– BUTTERCUP – (C) – Tendência a ver-se ainda na “persona” da criancinha vulnerável; baixa autoestima decorrente de uma identidade infantilizada.

– CALENDULA SILVESTRE – (M) – Trabalha nossa Criança Rebelde do tipo “oito ou oitenta”, “tudo ou nada”, que está sempre nos limites extremos da razão e do sentimento. Para as atitudes, posturas e situações em que há formas destrutivas e autodestrutivas interiorizadas. Para a agressividade verbal, emocional e física,

– CALIFÓRNIA WILD ROSE – (C) – Aceitar a dor da infância, especialmente quando ela tolheu as forças do coração e da vontade; superar o papel de vítima e envolver-se plenamente no papel do Adulto.

– CALLA LILY – (C) – Curar as mensagens confusas sobre identidade sexual, recebidas dos pais na infância; resgatar plenamente a própria identidade sexual.

– CAMELLI (M) ou MOUNTAIN DEVIL – (A) – Para o sentimento de ausência de amor expressa na forma de ódio, inveja, ciúme, ganância, desconfiança, amargura, raiva, agressividade, racismo, intolerância, mágoa e violência. A essência permite a conexão com níveis internos, onde brotam ideias benevolentes e sentimentos maravilhosos de amor altruísta e incondicional.

– CANYON DUDLEYA – (C) – Para quem obtém atenção hiperinflando a experiência emocional (dramatização exagerada); também para a representação ou dramatização inconscientes dos traumas da infância na vida adulta.

– CAPSICUM – (M) – ou ROSA CANINA – (M) – Útil para quando nossa Criança Emocional nos torna resignados e apáticos. Conformados com a própria condição adversa e que  nos faz sentir incapazes de dar um novo passo na tentativa de alterar essa condição problemática.Há carência de energia vital e um estado de “anemia psíquica”. A essência traz das profundezas do ser a energia da motivação interna. Para as pessoas passivas, pessimistas, frustradas, infelizes, entediadas, sem iniciativas.

– CENTAURY – (B) – Compulsão para servir os pais (Criança Interior Submissa), extremamente boazinha que busca agradar sempre e que talvez tente ser o pacificador numa família disfuncional, negligenciando suas próprias necessidades e sentimentos, quando o eu adulto domina a criança interior; falta de autonutrição.

– CERATO – (B) – Aprender a confiar no próprio saber interior, que foi anulado ou desprezado pelos pais na infância.

– CHERRY PLUM – (B) – Medo de perder o autocontrole, especialmente se sentimentos profundos e traumáticos são vivenciados; capacidade de “entregar-se nas Mãos de Deus”; medo de que a espontaneidade infantil leve a perda do autocontrole.

– CHICORY – (B) ou CHICORIUM – (M) – Para quem se comporta de modo infantilizado a fim de obter atenção; carência, incapacidade de lidar com as emoções.

– COLEUS – (M) – Essência usada como auxiliar floral no desenvolvimento da “inteligência emocional”. Ajuda a combater a impetuosidade, a impulsividade, a ira, a cólera e a falta de aceitação da atitude alheia. Ajuda na limpeza energética e atenua a sobrecarga nervosa relacionada com acúmulo de raiva, ira e mágoa.

– DAGGER HAKEA – (A) – Liberar os ressentimentos, mágoas e raivas dirigidas àqueles que lhes são próximos, ou já foram próximos, (irmão, pais, filhos, cônjuge, etc). Normalmente estes sentimentos negativos estão “embaralhados” com boas lembranças e sentimentos positivos. Este fato faz com que a pessoa viva um conflito interno e, muitas vezes, tente abafar, negar ou esconder esses sentimentos negativos.

– DIANTHUS – (M) – Para as pessoas muito sensíveis a tudo que ocorre ao redor e vão acumulando, gradativamente e em silêncio, os problemas cotidianos. Suportam caladas (Criança Submissa) as humilhações, os enganos, a ignorância e a ira alheia, mas internamente ficam remoendo os acontecimentos que lhes são inaceitáveis e incompreensíveis. Muitas vezes passam um ar de frieza, não deixando transparecer nem a tristeza nem a alegria. Ocultam a dor, a tortura e a ansiedade internas através da polidez e da distância que mantêm dos outros.

– DOGWOOD – (C) – Sensação de que o corpo físico é desajeitado ou inábil; abuso ou negligência na infância que desconectam o corpo de seu senso inato de graça e beleza.

– ECHINACEA – (C) – Restabelecer o padrão do Eu Central, reconstruir a autoestima e a dignidade apesar de grave ou profundo abuso ou exploração.

– ELM – (B) – Para o “Herói” que quando criança teve de assumir a responsabilidade de salvaguardar a família; sobrecarregado por ter assumido prematuramente as responsabilidades adultas.

– EMILIA – (M) – Para as personalidades com fraca convicção, que vivem pedindo conselhos e opiniões aos outros (Criança Submissa). Têm dúvidas nas escolhas e decisões as mais banais, mudam frequentemente de ideia quando influenciadas. Possuem fraco sentimento de identidade e com isto tendem a imitar as outras pessoas.

– EVENING PRIMROSE – (C) – Para a pessoa aceitar que pode ter sido rejeitada ou não desejada quando no útero ou ao nascer; absorção e identificação inconsciente com a negatividade da mãe ou do pai; profundos sentimentos de rejeição e abandono.

– FAIRY LANTERN – (C) – Apego à identidade infantil como meio de agradar os mais velhos; compulsão inconsciente de repetir a infância; quando o trabalho terapêutico com a Criança Interior estaciona.

– FICUS KRAKATOA – (M) – Essa essência ajuda a despertar nossa Criança Livre, conferindo pureza, graça, integração, completude, plenitude, “nudez de alma”, espontaneidade, serenidade, alegria de viver. Colabora para uma nova interpretação da história pessoal, buscando a verdadeira perspectiva reveladora do finalismo sagrado da alma.

– FIVE CORNERS – (A) – Para pessoas que possuem baixa autoestima e dificuldade em se aceitar e se curtir. Normalmente se tornam retraídas, tímidas, quietas. Seus gestos e atitudes são de quem quer passar despercebido. Os erros principais destas pessoas são sempre evitarem se expandir e não revelar o potencial divino que trazem dentro de si. A essência facilita a descoberta do potencial interior e o indivíduo volta a se valorizar, se aceitar e viver uma vida de expansão e vitalidade.

– FRAGARIA – (M) – Indicada para aquele tipo humano obscuro, isolado, desconfiado das intenções alheias e que, via de regra, se fecha num mundo muito particular com suas fantasias e seus objetivos pessoais. É em geral, muito criativo, porém não compartilha suas criações com terceiros. A essência induz uma vontade de “sair de casa”, de se expor, de tomar sol, de sentir o vento, a chuva, de andar por aí, de comunicar-se, de experimentar alguns aspectos sensuais da alma e do corpo, de sentir a natureza e viver a vida em comunhão com tudo e todos. Viver a saudável alegria da alma.

– FUCHSIA – (C) e (M) – Catarse emocional; integração das emoções que estão profundamente radicadas no corpo e talvez nunca tenham sido plenamente vivenciadas. Tortura interna através de muito senso de humor.

– GOLDEN EAR DROPS – (C) – Entrar em contato e libertar as lembranças dolorosas da infância, frequentemente reprimida; aceitação emocional e integração das experiências da infância.

– GOLDENROD – (C) – Para a pessoa se individuar dentro da Constelação Familiar, estabelecendo sua própria identidade à parte da estrutura familiar.

– HOLLY – (B) – Quando a capacidade de amor incondicional do coração foi truncada na infância devido a experiências de abuso emocional, amor condicional ou rivalidade entre irmãos.

– ILLAWARA FLAME TREE – (A) – Para aquelas pessoas que se sentem rejeitadas, excluídas e que tem medo da responsabilidade. Muitas vezes são pessoas que fazem parte de grupos sociais ou raciais que são discriminados. Outras vezes são pessoas sensíveis e facilmente magoáveis que sempre se consideram deixadas de lado. Normalmente perdem a confiança em si e se auto rejeitam.

– IRIS – (C) – Entrar em contato cm as forças criativas da Alma, especialmente os impulsos artísticos que podem ter sido reprimidos na infância.

– JASMINUM – (M) – Ajuda a vencer a resistência de romper certos hábitos, com a criação de uma nova autoimagem. Para a libertação das fantasias e devaneios relativos a uma autoimagem falsa. Autoimagem Traz um “novo nascimento”, uma interação viva e saudável da personalidade com o seu próprio interior. Regenerador psíquico.

– LARCH – (B) – ou LAVANDULA – (M) – Baixa autoestima; expectativa de fracasso que resulta em autocensura; repressão da espontaneidade infantil.

– LITTLE FLANNEL FLOWER – (A) – Essência que ajuda a nos contatar e a nos envolver com nossa Criança Interior Livre. Esta essência nos ensina a brincar mais, à sermos mais flexíveis e leves, mais ousados, aventureiros e despreocupados.  Útil para as pessoas excessivamente sérias e preocupadas, que negam sua Criança Interior Livre. Ela nos ajuda a recuperar a capacidade de sermos felizes com as coisas mais simples.

– MARIPOSA LILY – (C) – Curar o cerne do relacionamento com a mãe, encontrando o arquétipo espiritual da mãe e da maternidade apesar de trauma ou sofrimento pessoais.

– MILKWEED – (C) – Desejo inconsciente de fundir-se com os pais; incapacidade de lidar com a identidade individualizada; compulsão para obliterar a consciência e reprimir a função do ego; dependência excessiva da mãe ou do apoio familiar.

– NIGRUM – (M) – Colabora na “cicatrização” de traumas e feridas psíquicas, e na atenuação dos sofrimentos decorrentes. Para aqueles que carregam marcas dolorosas da gestação e do parto, sejam elas no corpo, mente ou espírito. Para aquelas pessoas que se sentem “estranhos” em qualquer lugar do mundo e em qualquer época. Esta essência é recomendada àqueles cuja trajetória durante a gestação, nascimento ou infância, foi marcada por traumas, pela dor e pela perda prematura da pureza e inocência originais.

– OREGON GRAPE – (C) – Superar o condicionamento, calcado na infância, de esperar o pior dos outros; desconfiança e suspeitas; medo de estranhos, preconceito étnico ou racial aprendidos quando criança.

– PASTORIS – (M) – Para o retraimento, a falta de sociabilidade, o isolamento pessoal, familiar ou grupal. Para a Criança Interior que permanece muito desconfiada com relação às intenções e às atitudes dos outros.

– PHYLLANTHUS – (M) – ou BAUHINIA – (A) – Para as pessoas sistemáticas, metódicas, perfeccionistas, teimosas, exigentes, preconceituosas, excessivamente sóbrias e severas consigo mesmas, e cujo comportamento gostariam que servisse de exemplo para os outros. Rigidez mental e emocional.

– PINE – (B) – ou PINUS – (M) –  Para quem se culpa pela disfunção familiar; sentimentos de culpa desproporcional às circunstâncias reais.

– PINK MONKEYFLOWER – (C) – Profunda vergonha na Alma; incapacidade da Alma se expressar os verdadeiros sentimentos, usualmente devido a abuso emocional, físico ou sexual na infância.

– PINK YARROW – (C) – Para a pessoa que é psiquicamente sensível e absorve demais, e quando criança aprendeu a lidar com isso tornando-se um recipiente do refugo emocional dos membros da família.

– PLANTAGO – (M) – Pessoas que controlam rigidamente sua Criança Livre. Possuem medo das fantasias, dos sonhos, do entusiasmo, das surpresas, do inesperado, do perigo, dos riscos, de cantar abertamente e livremente a vida, medo da alegria, de ter desejos, de amar. Para o temor vago, mas profundamente real, da vida, na sua totalidade. A essência traz confiança, FÉ, coragem e compreensão nos desígnios de amor subjacentes aos eventos externos.

– PRETTY FACE – (C) – O “Patinho Feio” ou “Ovelha Negra” no sistema familiar; sentimento interiorizado de ser diferente e sem atrativos.

– PURPLE MONKEYFLOWER – (C) – Ênfase excessiva no “temor à Deus” (Deus que castiga) durante a formação religiosa na infância, que sufocou o sentimento infantil de maravilhamento, reverência e confiança.

– RED CLOVER – (C) – Para quem mais reage do que age nas crises familiares, propenso à histeria emocional ou pânico coletivo, incapaz de pensar e agir por si mesmo.

– RED HELMET ORCHID – (A) – Essência para tratar da Criança Interior Rebelde, pessoas que tem problemas em lidar com autoridades, rebeldes, não cooperativos, desafiadores e “pavio curto”. Ajuda também as pessoas que possuem bloqueios emocionais e/ou relacionamento difícil com a figura paterna.

– ROSEMARY – (C) – Para aqueles que aprenderam a se desligar do corpo quando sofrem abuso físico ou emocional; a Alma tem dificuldade em encarnar plenamente ou em habitat calorosamente o corpo.

– ROSMARINUS – (M) ou RED LILY – (A) ou SUNSEW – (A) – Para o indivíduo que vive quase constantemente afastado da realidade perceptiva, envolto em seu mundo de fantasias e sonhos. Tipos dispersivos e imaturos.

– RUTA – (M) – Para as personalidades em que a Criança Submissa se sobressai, mantendo a timidez, personalidade subserviente, cuja fraqueza de vontade as tornam facilmente dominadas por terceiros. Têm dificuldades em dizer “NÃO” e reagem de forma exagerada aos desejos e necessidades dos outros. Ânsia em agradar  e atender aos outros.

– SCARLET MONKEYFLOWER – (C) – Necessidade de contatar e reconhecer os sentimentos de raiva e frustração relacionados às experiências da infância; tendência a se desculpar pelos poderosos sentimentos relacionados à infância ou reprimi-los.

– SELF-HEAL – (C) – Assumir a responsabilidade pela própria cura, abandonar o papel de vítima ou vilão, acreditar que a cura e a recuperação são possíveis.

– SHOOTING STAR – (C) – Situação de nascimento traumática ou extremamente perturbada; quando a Alma nunca encarnou plenamente ou não aceitou sua humanidade.

– STURT DESERT PEA – (A) – Essência indicada para os que necessitam solucionar as mais fortes mágoas, rancores, tristezas e outras “feridas do coração”. Estes sentimentos se mantém devido ao fato destas pessoas estarem presas emocionalmente a acontecimentos negativos passados (às vezes de muito tempo atrás). A essência ajuda a promover a catarse destes sentimentos, libertando a pessoas de sentimentos e lembranças ruins. O resultado é uma renovação da motivação para viver e um despertar de sentimentos positivos.

– STURT DESERT ROSE – (A) – Essa essência é para aqueles que sentem culpa, remorso e arrependimento. Normalmente se auto condenam. É comum sentirem que estão desagradando, prejudicando ou sendo inconvenientes com alguém. Uma das principais consequências desta forma de ser é a redução da autoestima e uma fraca convicção interior.

– SUNFLOWER – (C) – Curar o relacionamento com o princípio masculino, especialmente quando a relação com o pai foi conturbada; baixa autoestima.

– WILLOW – (B) – Liberar a culpa e a amargura pelo sofrimento na infância; capacidade de perdoar os pais, os outros membros da família ou o professores.

– YERBA SANTA – (C) – Para o pesar não resgatado, especialmente quando uma profunda tristeza ou um trauma da infância está armazenado no coração.

– ZINNIA – (C) ou (M) – Resgatar a autêntica Criança Interior (Criança Livre), o riso, a brincadeira e a leveza de coração.

FI-ESSÊNCIAS FLORAIS DE MINAS:

– ESTIMILIS (Autoestima & Expressão) – Favorece a percepção de nossa real identidade interna, mostrando saídas criativas de transmutação e sublimação dos sentimentos de inferioridade, baixa autoestima, insegurança, pessimismo, submissão e desinteresse. Tende a restabelecer o senso de adequação, conferindo múltiplas e benéficas possibilidade resultantes da autointegração. Colabora com a autoexpressão, favorecendo o desabrochar de potenciais latentes.

– SECURITAT (Coragem & Segurança) – Exalta a coragem, a autoconfiança, a vontade própria e a sensação de capacidade. Facilita a conexão com os sentimentos de segurança e proteção inatos no indivíduo. Útil para situações alarmantes que fazem imperar a fragilidade interna e a insegurança pessoal. Auxilia trazendo algo da segurança indispensável para tranpor os momentos de dificuldades na vida. “Trabalha” nas diversas modalidades de medo e fobias. Fórmula recomendada como auxiliar no tratamento de Síndrome de Pânico e demais complexos cujo foco é a insegurança e os medos.

BIBLIOGRAFIA:

“Repertório das Essências Florais” – Patrícia Kaminski e Richard Katz

“Essências Florais e a Cura das Doenças” – Maria Cristina N. Godinho Santos

“Coletânea de Indicações Florais de Minas” – Breno Marques da Silva e Ednamara B. V. e Marques

VERÔNICA DUTENKEFER

Psicoterapeuta e Terapeuta Holística

(11) 96484-5432

veveduten@yahoo.com.br